18 de ago de 2011

FERIDOS EM NOME DE DEUS? COMO IDENTIFICAR O PERIGO



No que consiste esse fenômeno de provocar ferimentos em nome de Deus? Neste trecho da entrevista da escritora e jornalista Marília de Camargo César, é possível verificar como se dá e quais são os indícios de um processo danoso e que tem adoecido a muitos.

Época: Porque demora tanto para a pessoa perceber que está sendo vitima?
Marília – Os abusos não acontecem da noite para o dia. No primeiro momento, o fiel idealiza a figura do líder como alguém maduro, bem preparado. É aquilo que fazemos quando estamos apaixonados; não vemos os defeitos.

O pastor vai ganhado a confiança dele num crescente. Esse líder, que acredita que Deus o usa para mandar recados para a sua congregação, passa a ser referencia na vida da pessoa.

O fiel por sua vez, sente uma grande gratidão por aquele que o ajudou a mudar sua vida para melhor. Ele quer abençoar o líder porque largou as drogas, ou parou de beber, ou parou de bater na mulher ou porque arrumou um emprego. E começa a dar presentes de acordo com suas posses. Se for um grande empresário, ele dá um carro importado para o pastor. Isso eu vi acontecer varias vezes. O pastor gosta de receber esses presentes. É quando a relaçao se contamina, se torna promiscua. E o pastor usa a Bíblia para legitima essas praticas.

Época – No livro você dá alguns alertas par não cair no abuso religioso
Marília – Desconfie de quem leva a gloria par si. Uma boa dica é prestar atenção nas visões megalomaníacas. Umas das características de quem abusa é querer que a igreja se encaixe em suas visões, como queres ganhar o Brasil para Cristo e colocar metas para isso. E aquele que não se encaixar é um rebelde, um feiticeiro,. Tome cuidado com esse homem.

Outra estratégia é perguntar a si mesmo se tem medo do pastor ou se pode discordar dele. A pessoa que tem potencial para abusar não aceite que se discorde dela, porque é autoritária. Outra situação é observar se o pastor gosta de dinheiro e ver se os sinais de enriquecimento ilícito. São esses geralmente os que adoram ser abençoados e ganhar presentes. Cuidado




15 de ago de 2011

"DESIGREJADOS" OS QUE NÃO QUEREM MAIS IGREJA

Adicionar legenda

O número de evangélicos que não mantêm vínculo com nenhuma igreja cresceu, informa reportagem de Antônio Gois e Hélio Schwartsman, publicada na Folha desta segunda-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares, do IBGE, eles passaram de 4% do total de evangélicos em 2003 para 14% em 2009, um salto de 4 milhões de pessoas.

Os dados do IBGE também confirmam tendências registradas na década passada, como a queda da proporção de católicos e protestantes históricos e alta dos sem religião e neopentecostais.

13 de ago de 2011

A VERDADE LIBERTA

QUEM ERAM AS PESSOAS QUE ANDARAM COM JESUS?


Segundo a revista ULTIMATO, existiam vários grupos que andavam com Jesus, nesta série de reportagens algumas dessas pessoas são classificados. Na edição 324, vemos os chamados “EMPOLGADO”. Eles nos ensinam muito. Vejamos.

Os anjos de Jesus
Anjos são pessoas. São seres vivos que estão a serviço de Deus. Movem-se nos céus e na terra. Sob o ponto de vista humano, não é irreverência chamá-los de extraterrestres.


Jesus esteve cercado de anjos, do princípio ao fim, desde o nascimento até a ascensão.

A participação do nascimento de Jesus foi feita por um anjo: “Hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. Em seguida, houve uma eclosão de muitos outros anjos dando glória a Deus por aquele evento (Lc 2.8-14).

Após o jejum de quarenta dias e a tentação, “vieram anjos e o serviram” (Mt 4.11). No auge da agonia do Getsêmani “lhe apareceu um anjo do céu que o confortava” (Lc 22.43). Se Jesus quisesse, se Jesus pedisse, se a morte vicária pudesse ser dispensada, “mais de doze legiões de anjos” poderiam, se necessário, impedir a prisão de Jesus (Mt 26.53). Três dias depois, quem removeu a “grande pedra” (Mt 27.60) para que Jesus saísse vivo do túmulo foi um anjo que desceu do céu (Mt 28.2). E dois anjos, em figura humana, estavam com Jesus em sua ascensão (At 1.10-11).

Os magos de Jesus
Há uma grande diferença entre astronomia e astrologia. Os homens que vieram do Oriente para adorar e presentear o recém-nascido Rei dos judeus eram magos (palavra de origem iraniana que indica originalmente os observadores e estudiosos dos corpos celestes). A seriedade dada ao nascimento e à pessoa de Jesus mostra que os magos eram astrônomos -- e não astrólogos --, pessoas acentuadamente religiosas e devotas. Não se sabe ao certo se eles vieram da Pérsia (atual Irã) ou da Babilônia (atual Iraque). O que se sabe é que eles viram alguma coisa diferente no espaço que apontava para um evento de grande importância na história da humanidade -- o nascimento de Jesus. Muito bem informados a respeito do recém-nascido, os magos trouxeram ouro, incenso e mirra à criança e a adoraram, para surpresa de Maria e José (Mt 2.1-12). O gesto deles contrasta com o gesto de Herodes e o presente deles contrasta com a pobreza da manjedoura! 

O culto prestado pelos magos ao Rei dos judeus prenuncia o louvor universal que será dado ao nome de Jesus (Fp 2.10-11).

Os velhos de Jesus
Quando Jesus estava para nascer e também logo após o seu nascimento, havia ao seu redor mais velhos do que jovens. Maria seria a única jovem. Nada se sabe a respeito da idade de José. Pensa-se que era bem mais velho do que Maria.

Há quatro idosos na história do nascimento de Jesus. São pessoas notáveis quanto à piedade pessoal e quanto ao envolvimento. Zacarias e Isabel eram justos e viviam de forma irrepreensível diante de Deus. Ambos eram “avançados em dias” (Lc 1.6-7). Deus abriu a madre de Isabel e ela deu à luz João Batista, o precursor de Jesus, apesar da idade e de ser estéril até então (Lc 1.13).

Os outros velhos de Jesus são o homem que tinha a certeza de ver o Senhor antes de morrer e a viúva de 84 anos que “não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações” (Lc 2.37). Simeão não somente viu o recém-nascido de quarenta dias como o pegou no colo (Lc 2.28). Ana, por sua vez, também teve o privilégio de ver o menino e de falar a respeito dele com muita gente (Lc 1.36-38).


11 de ago de 2011

Bruxismo aumentam entre as crianças


Problema já é a terceira causa da ida dos pequenos aos consultórios odontológicos.

 

O bruxismo em crianças passou a receber maior atenção por parte dos pais, o que aumentou a busca por tratamento para os pequenos nos consultórios dos dentistas. De acordo com a professora da USP Kranya Victoria Díaz-Serrano, o problema é a terceira causa da ida de crianças levadas por pais ao dentista, ficando atrás apenas da cárie e de traumatismos dentais. 


Segundo a especialista, o novo quadro mostra que a percepção do bruxismo mudou bastante nos últimos tempos.


— Antes, eram os profissionais que, numa consulta por outro motivo, notavam que a criança estava rangendo os dentes. Agora, é a família que percebe o problema e procura ajuda — explica.

Para a professora, que lidera diversas linhas de pesquisa dedicadas ao estudo do distúrbio e das Desordens Temporomandibulares (DTM) na população infantil, essa intervenção da família aumenta as chances de um diagnóstico precoce  e de um tratamento eficaz. No entanto, ela firma que há uma carência de profissionais especializados em bruxismo e DTM em crianças, o que tem resultado no aumento da demanda para este atendimento específico.


— A alta ocorrência do distúrbio gera uma necessidade cada vez maior de profissionais capacitados — diz Kranya.


Bruxismo infantil

O bruxismo é um hábito parafuncional involuntário caracterizado pelo apertamento e rangimento dental, que pode se manifestar em adultos e crianças, tanto em vigília quanto durante o sono — o que é mais comum.
 

Estudos procuram entender o perfil psicológico do paciente com bruxismo, assim como os fatores de risco para o desenvolvimento do problema.


— Nos perguntamos se hábitos como mascar chiclete ou roer unhas podem ter alguma relação com a doença, como apontam as tendências, mas não existe comprovação científica para isso — afirma a professora.


O ranger e apertar dos dentes pode trazer consequências como desgaste dental, dor facial ou até mesmo alto impacto nas estruturas mastigatórias.


Pesquisas já revelaram que a aplicação de técnicas terapêuticas complementares, como a acupuntura, são eficazes no alívio da dor muscular e diminuem a ansiedade e estresse, considerados fatores de risco para a manifestação desta desordem.




SIM A UMA FÉ SAUDÁVEL!!!


É gratificante ver uma pessoa crescer e abrir seus olhos, ver alguém que aprende a andar com as próprias pernas, ver alguém que por muito tempo viveu na dependência de outros, mas que agora já sabe fazer escolhas.
Em contra partida é muito triste ver uma pessoa que se deixa enganar mais um pouco, que se permite acreditar em promessas de mudanças, em falas melosas e em planos salvadores, e isso logo quando o manipulado estavam quase se emancipando de suas ilusões.
Onde isto se aplica? Se aplica a todos os segmentos da vida, trabalho, família e principalmente na religião, onde acontecem os maiores abusos e manipulações, neste último ambiente as pessoas enganadas e iludidas sofrem, sempre na esperança que algo mude, crêem que a sua oração pode substituir a iniciativa de arrependimento que deve vir unicamente de quem os ilude.
Assim sendo o que ocorre é um processo continuo e longo de frustração-esperança-redescoberta e novamente frustração. Como funciona?
(1) O Manipulado se deprime por que entende que a proposta não é condizente ou mesmo é contraditória as práticas.
(2) Inicia um processo de racionalização/espiritualização, ou seja o que esta acontecendo é “pontual”, é “mal-entendido” ou é resultado de “opressão”, o que o manipulado não percebe é que esse processo manipulatório obedece os planos e os valores do manipulador.
(3) Apos a racionalização/manipulação se instalar começa um longo período de “rituais de purgação” tanto de si como da própria instituição sem que com isso se identifique a verdadeira causa, a saber, as intenções escusas da liderança, estes rituais vão desde longas campanhas de intercessão até outros elementos mais elaborados.
(4) Uma vez que nada muda, o manipulado entra no desanimo, contudo já começa a reconhecer que talvez tenha que considerar que mudança de ares, algo difícil tendo em vista a dependência emocional e institucional. Esse processo é demorado, e doloroso.
(5) Tão logo a liderança manipuladora perceba que o descontentamento chegou a níveis perigosos, e que as suas “peças” começam a considerar alternativas radicais, promove-se por parte dos manipuladores um simulacro de mudança, com novas propostas, novos planos, tudo com o intuito de reverter o descontentamento, quem é Manipulado imediatamente vê nestes movimentos uma resposta divina aos seus “rituais de purgação”, esta neste momento restabelecido a relação de dominação- manipulação religiosa.
Esta relação doentia pode levar anos, talvez décadas, quanto não a vida toda. Não são poucas as pessoas que nunca sairão disto, ele é lucrativo para seus “donos” caso tenham muita gente sobre seu comando serão capazes de movimentar quantias formidáveis de recursos, algo que o trabalho honesto nunca lhes daria.
A solução? Coração aberto por parte dos Manipulados para o evangelho que liberta. Fé nas Boas Novas e ceticismo em relação as promessas de cunho humano-mercadológico, e o mais difícil, coragem para fazer as escolhas que mudem a dinâmica do dia-a-dia, mas que são essenciais para uma vida plena na Graça do ETERNO.
“…Saí do meio dela, ó povo meu, e salve cada um a sua vida do brasume da ira do SENHOR…”
 Jeremias 51:45 



E SE JESUS FOSSE NEO-PENTECOSTAL? JÁ PENSOU NISSO?



Querido leitor, este é um dos melhores textos apologéticos que já li nos último tempos, eu desafio você a ler, refletir, e em seguida pedir coragem ao ETERNO para tomar uma decisão em direção ao evangelho, e já se prepare, terá que ser muita coragem, pois as vezes terá que cortar na própria carne.

Por: Felipe Almada, postado no blog Fé e Razão 
Via  Púlpito Cristão

Se Jesus fosse neopentecostal, não venceria satanás pela palavra, mas teria o repreendido, o amarrado, mandado ajoelhar, dito que é derrotado, feito uma sessão de descarrego durante 7 terças-feiras, aí sim ele sairia. (Mt 4:1-11)
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria feito simplesmente o “sermão da montanha”, mas teria realizado o Grande Congresso Galileu de Avivamento Fogo no Monte, cuja entrada seria apenas 250 Dracmas divididas em 4 vezes sem juros. (Mt 5:1-11)
Se Jesus fosse neopentecostal, jamais teria dito, no caso de alguém bater em uma de nossa face, para darmos a outra; Ele certamente teria mandado que pedíssemos fogo consumidor do céu sobre quem tivesse batido pois “ai daquele que tocar no ungido do senhor” (MT 5 :38-42)
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria curado o servo do centurião de cafarnaum à distância, mas o mandaria levar o tal servo em uma de suas reuniões de milagres e lhe daria uma toalhinha ungida para colocar sobre o seu servo durante 7 semanas, aí sim, ele seria curado. (Mt 8: 5-13)
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria multiplicado pães e peixes e distribuído de graça para o povo, de jeito nenhum!! Na verdade o pão ou o peixe seriam “adquiridos” através de uma pequena oferta de no mínimo 50 dracmas e quem comesse o tal pão ou peixe milagrosos seria curado de suas enfermidades. (Jo 6:1-15)
Se Jesus fosse neopentecostal, ele até teria expulsado os cambistas e os que vendiam pombas no templo, mas permaneceria com o comercio, desta vez sob sua gerência. (MT 21:12-13)
Se Jesus fosse neopentecostal, quando os fariseus o pedissem um sinal certamente ele imediatamente levantaria as mãos e de suas mãos sairiam vários arco-íris, um esplendor de fogo e glória se formaria em volta dele que flutuaria enquanto anjos cantarolavam: “divisa de fogo varão de guerra, ele desceu a terra, ele chegou pra guerrear”. E repetiria tal performance sempre que solicitado. (Mt 16:1-12)
Se Jesus fosse neopentecostal, nunca teria tido para carregarmos nossa cruz, perdermos nossa vida para ganhá-la, mas teria dito que nascemos para vencer e que fazemos parte da geração de conquistadores, e que todos somos predestinados para o sucesso. E no final gritaria: receeeeeeebaaaaaa! (Lc 9:23)
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria curado a mulher encurvada imediatamente, mas teria a convidado para a Escola de Cura para o aprender os 7… veja bem, os 7 passos para receber a cura divina. (LC 13:10-17)
Se Jesus fosse neopentecostal, de forma alguma teria entrado em Jerusalém montado num jumento, mas teria entrado numa carruagem real toda trabalhada em pedras preciosas, com Poncio Pilatos, Herodes e a cantora Maria Madalena cantando hinos de vitória “liberando” a benção sobre Jerusalém. E o povo não o receberia declarando Hosana! Mas marchariam atrás da carruagem enquanto os apóstolos contaariam quantos milhões de pessoas estavam na primeira marcha pra Jesus. (MT 21:1-15)
Se Jesus fosse neopentecostal, ao curar o leproso (Mc 1:40-45), este não ficaria curado imediatamente, mas durante a semana enquanto ele continuasse crendo. Pois se parasse de crer.. aiaiaiaia
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria expulsado o demônio do geraseno com tanta facilidade, Ele teria realizado um seminário de batalha espiritual para, a partir daí se iniciar o processo de libertação daquele jovem. (Mc 5:1-20)
Se Jesus fosse neopentecostal, o texto seria assim: “ Mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um pobre entrar no reio dos céus” (Mt 19:22-24)
Se Jesus fosse neopentecostal, não teria transformado água em vinho, mas em Guaraná Dolly. (Jo 2:1-12)
Se Jesus fosse neopentecostal, ele teria sim onde recostar sua cabeça e moraria no bairro onde estavam localizados os palácios mais chiques e teria um castelo de verão no Egito. (Mt 8:20)
Se Jesus fosse neopentecostal, Zaqueu não teria devolvido o que roubou, mas teria doado seu ao ministério. (Lc 19:1-10)
Se Jesus fosse neopentecostal, não pregaria nas sinagogas, mas na recém fundada Igreja de Cristo, e Judas ao traí-lo não se mataria, mas abriria a Igreja de Cristo Renovada.
Se Jesus fosse neopentecostal, não diria que no mundo teríamos aflições, mas diria que teríamos sucesso, honra, vitória, sucesso, riquezas, sucesso, prosperidade, honra…. (Jo 16:33)
Se Jesus fosse neopentecostal, ele seria amigo de Pôncio Pilatos, apoiaria Herodes e só falaria o que os fariseus quisessem ouvir.
Certamente, Se Jesus fosse neopentecostal, não sofreria tanto nem morreria por mim nem por você… Ele estaria preocupado com outras coisas. Ainda bem que não era.


Puxa saco. Você conhece algum?




Eles estão em todos os lugares. Escritórios, almoxarifados, chão de fabricas, repartições publicas, no comercio e nos serviços, escolas e faculdades, ONGs e Igrejas, lá eles estão, ai na sua frente enquanto lê esse post, pode ter um, com sorriso inexpressivo e o tom de voz subserviente, este é o puxa-saco.  Mas quais são suas características? Vejamos apenas algumas.
1.  Falta de vergonha. O puxa saco não se constrange em ser assim chamado pelos colegas.
2.  Qualificação questionável. Há exceções, mas via de regra o currículo do puxa-saco e as habilidades e competências dele estão abaixo do média de equipe, a puxação de saco serve para equilibrar.
3.  Falta de Graça. É duro ouvir uma piadinha dita por um puxa saco em uma festa, geralmente são sem graça.
4.  É cínico. Ele entra na sua sala depois de um ritual de puxação de saco na reunião e se comporta como se nada tivesse acontecido, e não adianta você olhar para ele com olhar mortal, ele não ta nem ai, e ainda te convida para tomar café.
5.  É vazio. Mesmo quando você queira conversar com ele não é possível fazê-lo, ele só entende de futebol e de sua nobre função na empresa, em alguns casos entenderá de vídeo game.
6.  Acha-se chefe. Depois de um tempo na empresa ele se comportará como sendo seu chefe, espere para ver.
7.  Ética zero. Esquece esse assunto em uma repartição que tem puxa-saco, ética é perfumaria para eles, os mais sinistros aida poderão dominar o vocabulário na tentativa de melhorar a imagem, se perto de sua mesa tem alguém assim, então comece a distribuir currículos, você ta frito.
8.  É bem sucedido. Sinto muito te dizer mas geralmente os puxa-sacos sobem na hierarquia, não que todo mundo de sucesso seja puxa-saco, não, não é isso que eu disse, mas via de regra os puxa sacos são bem sucedidos, isto porque os chefes curtem ter alguém assim por perto, afinal eles ajudam e não representam ameaças, lembra o item 2.
É amigo ai esta algumas das descrições do puxa-saco, teriam muito mais outras características, mas essas já são suficientes. A propósito nem tente enviar essa mensagem para um puxa-saco ele não vai ler ele esta muito ocupado na missão que a ele foi confiado ao vir ao planeta terra, a saber, inchar o Ego do todo poderoso chefe!!!! 

10 de ago de 2011

LANÇAMENTO SARITA RUPP MÚSICA : TUA PRESENÇA.mov

Música cristã e qualidade é algo difícil de encontrar nos nossos dias, assim sendo é motivo de jubilo quando encontramos uma que seja capaz de transmitir valores, que tenha uma boa produção e que seja feito por pessoas que se comprometem com cada estrofe do que canta. Esse é o caso das músicas da Sarita Rupp, que ao cantar, traz por uma fração de segundos um pouco da eternidade para terra. Não acredita? Então ouça e diga se não é isso que acontece!!

PORQUE INTELECTUAIS REJEITAM “CRISTÃOS EVANGÉLICOS”? E VICE VERSA.


Este texto é um primor, e explica muito do que este blogueiro quer dizer a meses. Espero que quem ler compreenda a urgência de se assumir o evangelho na sua integralidade e com todas as sua implicações

Nicholas D. Kristof, The New York Times - O Estado de S.Paulo
Nesta época de polarizações, poucas palavras provocam tanta aversão nos ambientes liberais quanto "cristão evangélico".
Em parte, isto se explica porque, nos últimos 25 anos, os evangélicos foram associados a personagens rabugentos e fanfarrões. Quando os reverendos Jerry Falwell e Pat Robertson debateram na televisão se os ataques de 11 de Setembro foram uma punição de Deus contra as feministas, os gays e os secularistas, Deus deveria tê-los processado por difamação.
Anteriormente, Falwell defendera que a aids é "o julgamento de Deus sobre a promiscuidade". Esta presunção religiosa permitiu que o vírus da aids se espalhasse, constituindo uma imoralidade maior do que tudo o que poderia acontecer nas saunas gays.
Em parte, por causa desta postura bem-pensante, todo o movimento evangélico frequentemente foi condenado pelos progressistas como reacionário, míope, irracional e até mesmo imoral.
Entretanto, esse menosprezo casual é profundamente injusto, se considerarmos o movimento como um todo. Ele reflete um tipo de intolerância às avessas, às vezes um fanatismo às avessas, dirigido contra dezenas de milhões de pessoas que na realidade se envolveram cada vez mais na luta contra a pobreza e na defesa da justiça global.
Essa linha compassiva da corrente evangélica foi dotada de bases extremamente sólidas pelo reverendo John Stott, um moderado estudioso inglês que influiu de maneira muito mais importante no cristianismo do que astros da mídia como Robertson ou Falwell. Stott, que morreu há alguns dias aos 90 anos, foi incluído na lista das cem pessoas mais influentes do globo da revista Time. Em termos de estatura, às vezes foi considerado o equivalente do papa entre os evangélicos de todo o mundo.
Stott não pregou acenando com a ameaça das penas do inferno numa rede cristã de televisão. Ele foi um humilde estudioso cujos 50 livros aconselham os cristãos a emular a vida de Jesus - principalmente sua preocupação com os pobres e os oprimidos - e a se opor a mazelas sociais como a opressão racial e a poluição ambiental.
"Os bons samaritanos sempre serão necessários para socorrer os que foram assaltados e roubados; entretanto, seria melhor acabar com os bandoleiros na estrada de Jerusalém a Jericó", escreveu Stott em seu livro A Cruz de Cristo. "Por isso, a filantropia cristã em termos de alívio e ajuda é necessária, mas muito melhor seria um aprimoramento a longo prazo, e nós não podemos fugir da nossa responsabilidade política e da necessidade de participar da transformação das estruturas que inibem este aprimoramento. Os cristãos não podem olhar com tranquilidade as injustiças que arruínam o mundo de Deus e degradam suas criaturas".
Stott deu exemplos das injustiças contra as quais os cristãos precisam lutar: "os traumas da pobreza e do desemprego", "a opressão das mulheres", e na educação, "a negação de iguais oportunidades a todos".
Para muitos evangélicos que sempre se retraíam quando um "televangélico" ganhava as manchetes, Stott era um guru intelectual e uma inspiração. Richard Cizik, presidente da Nova Igreja Evangélica Parceria para o Bem Comum, que trabalhou heroicamente para combater desde o genocídio até a mudança climática, me disse: "Contra a charlatanice e a irracionalidade no nosso movimento, Stott permitiu afirmar que você é "evangélico" e não deve se arrepender".
O reverendo Jim Wallis, diretor de uma organização cristã chamada Sojourners (Os visitantes), que trabalha em prol da justiça social, acrescentou: "John Stott foi o primeiro líder evangélico importante que defendeu o nosso trabalho na Sojourners". Stott, que foi um aluno brilhante em Cambridge, também ressaltou que a fé e o intelecto não precisam ser conflitantes.
Há muitos séculos, o estudo profundo da religião era extraordinariamente exigente e rigoroso; por outro lado, qualquer um podia declarar-se cientista e passar a exercer a alquimia, por exemplo. Hoje, é o contrário. Um título de doutor em química exige uma formação rigorosa, enquanto um pregador pode explicar a Bíblia pela televisão sem dominar o hebraico ou o grego - ou mesmo sem mostrar interesse pelas nuances dos textos originais.
Os que se denominam líderes evangélicos revelam-se hipócritas, transformando Jesus em lucro em lugar de emulá-lo. Alguns parecem inclusive homofóbicos, e muitos que se declaram "a favor da vida" parecem pouco preocupados com a vida humana depois que ela sai do útero. São os pregadores que aparecem nas manchetes e são menosprezados.
Escrevendo sobre a pobreza, as doenças e a opressão, encontrei outros ainda. Os evangélicos estão desproporcionalmente dispostos a doar o dízimo do que ganham a obras de caridade, em geral ligadas à igreja. O mais importante é que se procuramos nas linhas de frente, nos EUA ou no exterior, nas batalhas contra a fome, a malária, as violações nas prisões, a fístula obstétrica, o tráfico de pessoas ou o genocídio, alguns dos mais corajosos que encontramos são cristãos evangélicos (ou católicos conservadores, que a eles se assemelham de muitas maneiras) que vivem verdadeiramente a sua fé.
Não sou particularmente religioso, mas reverencio os que vi arriscando sua vida dessa maneira - e me enoja ver esta fé ridicularizada em coquetéis em Nova York.
Por que tudo isto é importante?
Porque tanto as pessoas religiosas quanto as seculares fazem um trabalho fantástico em questões humanitárias - mas elas frequentemente não trabalham juntas em razão das suspeitas mútuas. Se pudermos superar este "abismo divino", poderemos progredir muito mais no combate às mazelas do mundo.
E esta seria, realmente, uma dádiva divina. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA É COLUNISTA 

HOMEM. QUE SER É ESTE?


O um homem  NÃO é.
indiferente com os mais fracos
subserviente com os mais fortes
jactancioso frente aos frustrados
invejoso frente aos bem-sucedidos
oportunista frente aos vulneráveis
vulnerável frente  aos oportunistas
indiferente diante dos oprimidos
cúmplice junto aos opressores

Ainda que a testosterona corra nas veias ao invés de sangue, ainda assim quem age dessa forma nunca foi e nunca será um homem, isto porque um ser somente poderá ser identificado como homem quando:

For solidário com os fracos
For compreensivo com os frustrados
For acessível aos vulneráveis
For sensível junto aos oprimidos, e nunca, nunca mesmo se deixar manipular pelos fortes, nem impressionar -se pelos bem-sucedidos, associar-se com os oportunistas e muito menos acumpliciado com opressores.

Quando alguém vive assim poderá ser apontado por todos como um Homem de fato.

ESTUDO DIZ QUE ATEÍSMO VAI TOMAR LUGAR DAS RELIGIÕES.



Um estudo que será publicado neste mês aponta que, quanto mais desenvolvido o país, maior o número de ateus.
Para o autor Nigel Barber, portanto, chegará o dia em que quase todo o mundo vai se declarar sem religião.
A mudança já estaria ocorrendo. A pesquisa, feita em 137 países, mostra que nas economias mais desenvolvidas o número de descrentes é crescente.
Na Suécia, por exemplo, o índice chega a 64% da população, seguida por Dinamarca (48%), França (44%) e Alemanha (42%).
Na outra ponta, países da África sub-saariana têm menos de 1% de ateus.
O autor aponta razões mercadológicas para a baixa das religiões.
Segundo ele, as pessoas procuram as igrejas para se salvar de dificuldades e incertezas da vida.
Hoje profissionais como psicólogos e psiquiatras podem perfeitamente suprir essa lacuna.

Fonte: f5.folha.uol.com.br

8 de ago de 2011

IGNORAR, SOFRER, RECLAMAR, AGIR. O QUE FAZER?



Na vida tem gente que ignora, tem gente sofre, tem gente que reclama e tem gente que age.
O primeiro finge que tudo esta bem e espera que alguém continue o enganando.
O segundo chora e espera que alguém continue o consolando
O terceiro fala e espera que alguém continue o escutando
O quarto não espera que ninguém faça qualquer coisa por ele. Afinal ele já está fazendo.
Fazer e não esperar que seja feito, este é o segredo.

O DONO DO TITANIC E SEU NAUFRÁGIO PESSOAL



Livro revela vida amarga de dono do Titanic

por Antonio Carlos Prado e Laura Daudén
No filme “Titanic” há uma cena em que vemos J. Bruce Ismay – proprietário do transatlântico que naufragou em sua viagem inaugural, matando cerca de 1,5 mil pessoas – escondendo-se entre mulheres e crianças para conseguir se salvar em um bote (Ismay foi interpretado nas telas pelo ator Jonathan Hyde). Covardia? Instinto de sobrevivência? Pois bem, Ismay acaba de ganhar uma biografia no Reino Unido.

O livro, assinado por Frances Wilson, mostra que a sobrevivência foi um longo e lento castigo para o dono do Titanic: ele passou a vida sob duras críticas, perdeu os amigos e recebia frequentes ameaças. Seu “naufrágio” pessoal foi consumado quando se descobriu que foi ele quem decidiu reduzir de 48 para 16 o número de botes no convés do navio.

FONTE: Isto É

7 de ago de 2011

CASANDO ENQUANTO O MUNDO ACABA


O CINEMA COPIANDO A VIDA.

Um lindo filme sobre o final do mundo, MELANCOLIA é escrito e dirigido por Lars Von Trier e produzido por Meta Louise Foldager e Louise Vesth da Zentropa Entertainments27. Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg e Kiefer Sutherland lideram um elenco de astros internacionais, incluindo Alexander Skarsgård, Charlotte Rampling, John Hurt, Stellan Skarsgård, Udo Kier e Jesper Christensen.


Justine (Kirsten Dunst) e Michael (Alexander Skarsgård) estão celebrando seu casamento em uma festa suntuosa na casa de sua irmã (Charlotte Gainsbourg) e cunhado (Kiefer Sutherland). Enquanto isso, o planeta, Melancolia, está se dirigindo em direção à Terra ... MELANCOLIA é um "disaster movie" psicológico do diretor Lars von Trier.

“…Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem: comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e destruiu a todos. O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar. Naquele dia, quem estiver no eirado e tiver os seus bens em casa não desça para tirá-los; e de igual modo quem estiver no campo não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló. Quem quiser preservar a sua vida perdê-la-á; e quem a perder de fato a salvará. Digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será tomado, e deixado o outro; duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra. Dois estarão no campo; um será tomado, e o outro, deixado. Então, lhe perguntaram: Onde será isso, Senhor? Respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres…”

Lucas 17.26-37


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...