15 de nov de 2011

VÍDEO TERAPEUTICO


Tá triste? Ta deprimido?
Perdeu a fé?
Então pare o que esta fazendo e assista este vídeo, ele é terapêutico, vai te curar, e te fazer bem. 
Depois me avise como se sentiu

OS VERSOS SÃO OUTROS, MAS O SERMÃO É O MESMO!!!


É verdade que como dizia Aristóteles a repetição auxilia no aprendizado, contudo é possível observar  nos púlpitos,uma total falta de criatividade um relaxo absoluto com com a exposição da palavra e uma falta de empatia com o auditório.

Enquanto voluntários investem seu tempo cuidando de crianças nas classinhas, enquanto músicos ensaiam horas durante a semana para tocar o melhor possível, enquanto crentes militam em favor de trazerem seus amigos não cristãos para assistir um culto, um sujeito que GANHA somente para fazer um sermão por semana, uma ceia por mês e uma batismo por semestre sobe em uma plataforma para repetir o mesmo sermão de sempre, eu não disse o mesmo versciculo, eu dissse o mesmo sermão, muda o versículo, mas o sermão é o mesmo.

Eu não sei que pregadores vocês conhecem, mas os que eu tenho visto nos últimos 5 anos são ruins de conteúdo, não conhecem os principais temas das Escrituras, tem preguiça de estudar, perderam a fé, embora sustentem aparência de piedade, transformaram o ministério em carreira profissional, alegam não ter tempo, embora só façam isto.

Essas pessoas não teriam um público cativo se não contassem com alguma banda ou ministro de louvor que de maneira voluntaria embalam o público e salvam a reunião. Esses pregadores conquanto mudem os seus versículos falam sempre a mesma coisa, sem esquecer os gritos de sempre e os jargões batidos, que por anos lhes garantem salários de executivos de multinacionais.

É em relação a estes que eu falo, e em favor de muitos que eu conheço que perderam o gosto de ir a igreja,  e que tem vergonha de levar seus amigos não crentes.

Antes que alguém venha o já gasto “não julgueis para não ser julgado” aconselho que leia 1ª João 4.1
E por favor, sejamos solidários as pessoas que estão cansadas de ir a igreja no domingo, e que porque tiveram suas mentes dominadas, não foram capazes de tomar uma atitude! Essa foto foi postada com esse objetivo.

3 de nov de 2011

AVISO AOS VOLUNTÁRIOS


Se tiver que ser voluntário seja de graça, se for para ser voluntário de graça, então seja voluntário da Graça.

Só vale ser voluntário quando estamos a serviço da Graça, caso contrário o voluntariado fica caro, pesado e enganoso, e a graça recebida pelo voluntariado deixa de ser a Graça DELE e passa a ser aquela graça barata que se encontra na boca de todos os que usam de graça os voluntários.

Entendeu? Não? Se você não entendeu provavelmente você esteja sendo um voluntario de graça, sem nenhuma presença da Graça.  

A cara Graça do ETERNO é generosa
A barata graça dos mortais é egoísta.

Fique na primeira e fuja da segunda.

1 de nov de 2011

MITOS SOBRE O PERDÃO



Esse é um dos assuntos mais tratados pelos pregadores, e especialistas em aconselhamento. O perdão é a pauta de vários seminários, esta sempre presente nas mais diversas terapias, sejam elas comportamentais sejam elas de cunho espiritualista, de fato não é possível se falar sobre vida sem se falar em perdão.

Contudo com um pouco de atenção é possível verificar a existência de alguns mitos que de alguma forma podem na realidade adoecer mais do que curar as pessoas que tiveram algum passado traumático ou mesmo que foram o alvo de algum tipo de violência ou abuso. São mitos que se replicam entre falas e aconselhamentos, são mitos porque não são capazes de se sustentar, e talvez possam criar esperanças frágeis que se transformaram rapidamente em mais um trauma. Assim sendo vejamos alguns desses mitos:

Mito 1 Quem perdoa esquece: o esquecimento é próprio de quem sofre de amnésia, perdão não é amnésia, perdão não é esquecimento, embora quem perdoe deve ser desestimulado a lembrar-se sobre o ocorrido, não é possível que alguém não seja capaz de ser lembrado de fatos, nomes, e pessoas.

Mito 2 Quem perdoa não quer justiça: é importante que se diferencia três elementos importantes,vingança, justiça, e correção. A vingança é um desejo mesquinho, é querer que o outro sofra na mesma proporção o dolo que promoveu. A justiça e a correção consistem em solidariedade com o que é honesto, integro. Perdoar é ser equilibrado no sentido de evitar qualquer compromisso com a “lei de Talião”, aquela lei que diz que a justiça se faz “olho por olho, dente por dente”.

O perdão não é ausência de aspiração de correções. A vingança olha para trás, pretende corrigir o passado, a correção olha para frente, quer prevenir o futuro. Quem perdoa para de olhar para trás, contudo não perde de vista o futuro, para que os traumas de ontem não se reproduzam amanhã.

Mito 3 Quem perdoa não exige arrependimento: perdão sem arrependimento é anistia, pode a médio e longo prazo inibir o super-ego e despertar sociopatia entre os agressores, nas relações humanas exigências tendem a gerar patologias, manipulações, de tal forma que um agredido não deve iniciar uma busca frenética pelo arrependimento do ofensor, ornada com a cereja do pedido de perdão que enfeita o bolo da restituição. 
Contudo o perdão não é algo banal, barato, sem valor, sem custo, que deve ser distribuído de maneira leniente e relaxada. Isto porque pelo menos nos textos religiosos, em particular o texto bíblico, perdão e arrependimento SEMPRE APARECEM JUNTOS.

Mito 4 Quem perdoa fica curado: é verdade que o perdão auxilia a  interrupção de processos patológicos existentes em virtude de ofensas, agressões ou mesmo abusos, contudo o que adoece são os fatos, as implicações destes, são os resultados que adoeceram, o perdão poderá minimizar estes efeitos, mas dificilmente eliminará todas as patologias existentes. Isto porque alguns distúrbios são resultados de perdas, não necessariamente da memória da perda. É importante que se diga que perdão não é automático, ele é um processo, exigir da parte ofendida uma resposta piedosa fora do tempo é prolongar a violência.

Então o que se pode dizer sobre isto? O que se pode fazer pelas pessoas que são ofendidas, e pelos ofensores é identificar toda e qualquer aspiração revanchista, sem com isso ignorar a necessidade de correção e disciplina. Os ofendidos não podem ser colocados no banco dos réus, no tão logo manifestem dificuldades em assumir a postura perdoadora que todos exigem. Chantagear com doenças, castigo divino, rotulação não ajudam as pessoas abusadas e ofendidas, o que essas pessoas necessitam é aceitação, pois esta sim, gera saúde e transformação e longo prazo extraem o verdadeiro perdão, aquele que olha para o futuro para preservá-lo e assim deixar que o passado no contamine.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...